terça-feira, 2 de novembro de 2010

HÁ JÓIA DEPOIS DA MORTE



Empresa suíça transforma cinzas de cremações em diamantes sintéticos.
 Nascer, viver, morrer.E, sobrevindo a morte, enterrar ou cremar.A essa sequência praticamente imutável desde o início dos tempos uma empresa suiça, a Algordanza, oferece um passo a mais: transformar em diamantes as cinzas do ente querido.O processo é realizado por meio da compressão das moléculas de carbono, presentes no corpo humano- e, portanto nas cinzas da cremação.Passadas algumas semanas, o pó vira pedra preciosa, que pode ser guardada em casa ou transformada em jóia.Algordanza - que quer dizer "memória, recordação" .
 Para obter um diamante são necessários pelo menos 500
gramas de cinza.O materia é submetido a um processo químico
para separar o carbono das outras substâncias.Na segunda fase
o carbono é purificado e submetido a altíssima pressão e temperatura para acelerar a transformação em diamante.O
processo  demora entre três e seis semanas.Por fim , o diamante é lapidado em três opções de formato:brilhante(arredondado),
quadrado e coração.

3 comentários:

  1. nossa, e fica lindo hm
    ótimo post, adorei *-*
    beijão! ;*

    ResponderExcluir
  2. Nada mais justo do que transformar os seres em jóias. Afinal, cada ser é único, raro e precioso como cada uma das pedras preciosas que existem.
    Tranformar vida em jóia, olhe só o ponto em que chagamos....Isso sim, é tecnologia em serviço de vida, no caso, morte!
    Levar o ente querido consigo onde quer que se vá, muito bom...sentir a presença dele ali com você é muito bom!
    Mas, tenho a certeza de que esse processo é caríssimo, então, como sempre em nossa sociedade, poucos podem realizar esse processo de transformar seres em jóias de fato!

    "Seres enquanto seres já são jóias....mas transformá-los em forma de tal é algo surreal!"

    Abraços, Rubens - @rubensstaloch
    http://esquecatudo.blogspot.com/

    ResponderExcluir